PUBLICIDADE
Topo

De delivery a venda online, como mercado de carros se adapta à pandemia

Jorge Moraes

31/03/2020 10h18

Visualizando uma recuperação ainda distante, as marcas estão apostando em formas diferentes de atender ao consumidor, apostando em vendas online. Não que as vendas pela rede mundial de computadores seja uma novidade, pois há tempos ela já começa na internet, com a pesquisa do melhor carro para o dia a dia e para o bolso. Entretanto, hoje, no planeta em isolamento, a negociação à distância é quase que uma exclusividade, uma necessidade.

A finalização dessa compra, entretanto, quase sempre era feita de forma presencial, uma vez que o consumidor gosta de conhecer o carro, fazer um test-drive e até mesmo tirar dúvidas pessoalmente com o vendedor, dentro da loja. Mas, com o isolamento social essa prática foi bastante modificada.

A Caoa Chery anunciou recentemente a venda online de seus veículos. Mas isso não impende de o cliente de testar os veículos. A montadora, através de sua rede de concessionários, leva um vendedor e um modelo do carro que o cliente tem interesse até sua casa.

Segundo a marca, todos os cuidados de higienização são tomados para o test-drive e a negociação serem feitas sem riscos. Se tudo der certo, o carro novo chegará à casa do cliente em alguns dias.

O UOL Carros consultou o governo de São Paulo para saber se tais medidas, como a visita do vendedor na casa dos clientes, descumpriam as regras da quarentena imposta no estado.

"Em nosso Decreto da Quarentena, não há previsão deste tipo de relacionamento cliente e empresa. O que não pode é atendimento presencial na loja que possa causar aglomeração de pessoas. Isso (visita do vendedor) configura atendimento a domicílio", respondeu o comitê extraordinário de combate ao coronavírus do governo de São Paulo.

Caoa Chery leva o carro de teste para a casa do cliente

A ação da Caoa Chery já vinha sendo praticada por outras marcas desde o início do isolamento social para combate ao novo coronavírus. Estão todos investindo no mundo digital, tratando o lead de outra maneira, com o cliente dentro de casa, sendo cativado pelo mobile. O conhecimento de produto é o argumento certo para facilitar o entendimento entre o vendedor virtual e o cliente final.

E não é só entre as concessionárias de carros novos que a venda online está ganhando terreno. Para as lojas de seminovos as vendas por internet já não são novidades. Antes da pandemia, o classificado de veículos pela internet já garantia uma negociação praticamente toda pela rede. Agora esse processo foi aperfeiçoado e deve conquistar ainda mais espaço pós-pandemia.

O que é certo é as vendas online ainda estão em fase de adaptação e devem ser implantadas de forma gradativa até o fim da pandemia. E também vai virar importante ferramenta de negócio mesmo depois dela. Uma vez que vendedores e consumidores vão se acostumar a essa nova fase, a modalidade deve continuar, o que é bom para todos.

NÚMERO DE VENDAS

Enquanto revendas e compradores lentamente engajam essa nova fase de vendas online, o mercado automotivo sofre com a queda brusca nas vendas. Prova disso é que, desde a notificação dos primeiros casos da Covid-19 no Brasil, a comercialização de modelos novos só faz cair.

No começo da semana passada, o número de veículos novos registrados em todo o país foi de apenas 1.242. A média diária de vendas de carros 0km estava em torno de 10 mil unidades, antes da pandemia da covid-19.

A baixa procura foi tanta que algumas montadoras não conseguiram vender se quer uma unidade, como foi o caso de Iveco, Subaru, Jaguar, Troller, JAC e RAM. Entre as que conseguiram vender, a mais procurada foi a Volkswagen que, mesmo assim, só conseguiu emplacar 288 novas unidades. Os prognósticos não devem ter mudando muito.

FABRICANTES

Com as produções suspensas, as montadoras estão utilizando suas plantas e seus funcionários para ajudar no combate ao coronavírus. Como é o caso da GM, que está reunindo esforços para a fabricação de respiradores, indispensáveis no auxílio aos que são acometidos pela Covid-19.

A Volkswagen também entrou no protagonismo para frear a pandemia. A marca anunciou que disponibilizará uma frota de 100 veículos para utilização das Prefeituras de São Bernardo do Campo/SP, Taubaté/SP, São Carlos/SP, São José dos Pinhais/PR, localidades onde a empresa mantém fábricas, e para o Governo do Estado de São Paulo.

O empréstimo tem como objetivo principalmente apoiar o deslocamento de médicos e enfermeiras, bem como transporte de medicamentos e equipamentos de saúde, podendo ser utilizado para qualquer outra necessidade das autoridades.

A Hyundai lançou a iniciativa Transporte Solidário Hyundai. Com ele, quem tem mais de 60 anos e os profissionais de saúde poderão contar com um serviço de mobilidade para transporte de ponto a ponto, retirada de compras, medicamentos e vacinação drive thru, devidamente seguro e higienizado, conduzido por profissionais que seguem as orientações de segurança, usando máscara e luvas.

PÓS-VENDA

O que fazer se o período de revisão do veículo coincidir com a quarentena? Há risco de se perder a garantia? Praticamente todas as montadoras se posicionaram sobre o assunto e seguem o exemplo abaixo. Fique tranquilo.

A Hyundai informa em sua página oficial que as garantias e revisões de seus clientes estão asseguradas. "Buscando oferecer o máximo de bem-estar aos clientes, informamos que as manutenções e garantias dos veículos serão asseguradas no período de 10 de março de 2020 até 30 de abril de 2020, sendo possível a prorrogação de acordo com as recomendações dos órgãos de saúde", informou a marca sul-coreana.

Hyundai e outras marcas prorrogaram as revisões de seus carros

Outra marca que se pronunciou sobre o seu pós-venda foi a BMW Group, que inclui a BMW, a Mini e a BMW Motorrad. A alemã estendeu o prazo de garantia e manutenção dos seus veículos por até 30 dias.

"A condição vale para os veículos que têm sua garantia contratual vencendo no período entre 23 de março e 24 de abril. Este período será reavaliado e poderá ser alterado, caso necessário", informou a marca em nota.

A Citroën também mandou informe com relação à garantia. A marca adaptou as regras e ampliou os prazos do plano de revisões e manutenções de todos os veículos em garantia. Assim, os clientes da francesa terão mais três meses e/ou 3 mil km rodados, contando a partir de 17 de março de 2020, para efetuarem os serviços obrigatórios.

*Colaborou Alessandro Reis

Sobre o Autor

Jornalista, Jorge Moraes trabalha com o segmento automotivo desde 1994. Presente nos principais salões internacionais, é editor do caderno de Carros no Diário de Pernambuco, diretor e apresentador do programa Auto Motor na Band, e âncora do programa CBN Motor na rádio CBN Recife.